terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Se não pode ajudar, então, atrapalha, ué!

Fomos jantar no Alambique* hoje à noite - meus pais, o Luciano e a Lauren e eu.

Conversa vai, conversa vem, depois de umas bicadas em um vinho, minha mãe começa a contar para o meu pai a história do livro que ela esta lendo. E as três crianças que sobraram, só no ouvidão pro lado da conversa:

Mãe - ... então, o homem conta que quando ele acorda, a uva está com orvalho, mas o vizinho - acho que era o vizinho - comenta que logo mais, em certo horário, começaria um vento, que é típico da região. É um vento que vem da África... o nome daquele vento... eu não consigo me lembrar do nome do vento... vem da África...

Aí entra o dom de ajudar.

Eu - Africano!
Mãe - Não, não era isso...
Lauren - Minuano!
Mãe (rindo) - Não, não era. É um nome de uma coisa bem comum na África...
Lu - Vento negão!**
Eu - Vento tição!**
Mãe - Não, não, não ajudaram... depois eu me lembro! Mas enfim, Roberto - cortou as crianças - é um vento que sopra em determinado horário e seca as uvas, que são umas uvas especiais, daquela espécie... aquela... bem conhecida... é um nome bem famoso na Itália...
Eu - Ferrari!!!
Lauren - Versace!!!
Eu - Lamborghini!!!
Mãe - Nãããããoooo. Ai, eu desisto de lembrar os nomes! Enfim, o cara resolve fazer fogo no lado do parreiral e blábláblá...

Coitada da mãe, acho que a gente atrapalhou tanto que ela nem conseguiu acabar a parte da história que ela queria. Aí chegou a comida e já era. O assunto se perdeu.

Voltamos para casa falando nomes de cidades que gostaríamos de visitar.
Eu - Se eu pudesse visitar qualquer cidade estranha...
Mãe - Aposto que tu iria para Cochabamba! Hahahaha
Eu - Não, eu iria para Valletta, que existe!
Mãe - Eu não, eu lembro que quando eu era pequena, meu pai sempre falava de Cochabamba e de outra cidade do Peru... agora não consigo lembrar o nome... que droga! Era um noma comprido...
Luciano - Já sei, só pode ser... Kilimanjaro!!!
Mãe (depois de se recompor de tanto rir) - Lembrei, lembrei! Era Trujillo! Eu adorava escutar esse nome: Trujillo!
Eu - Mas mãe, Trujillo eu vi no meu aniversário de 2010!
Mãe - Como assim?
Eu - Roberto Agustin Miguel Santiago Samuel Trujillo - do Metallica! Viu? Teu Trujillo já não é mais novidade na família!

E seguimos, falando besteira e rindo de palavras estranhas com significados suspeitos.





Legenda:
* Alambique é um restaurante em Carlos Barbosa, que tem os melhores bifes|filés que eu conheço. Ninguém bate o Baurú do Alambique.

** Sei que não precisaria falar isso, mas como hoje em dia as pessoas fazem questão de entender errado as brincadeiras, quero deixar claro que nenhuma brincadeira teve conotação racista.