sexta-feira, 9 de novembro de 2012

97/365 - Slash

Se, em 1989, eu ficasse sabendo que veria um show do Slash em 2012 e seria um show solo, sem o Guns n' Roses, pois a banda haveria terminado sem chances de voltar, eu não sei se eu piraria de indignação ou se eu ficaria feliz pelo fato de que veria meu grande ídolo.

Porque o Slash era tudo pra mim, era mais que o Guns.

Claro que hoje em dia não rola mais aquele fanatismo, mas foi algo que marcou bastante, foi o início do Rock n' Roll na minha vida, então, devo muito a ele.

E, logicamente, não perderia esse show!

A crítica está elogiando e acho que realmente ele não vai decepcionar.

Que legal, contagem regressiva pra chegar a hora!


See you later, dude!

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

96/365 - Disconnected - Keane


Adoro essa música e esse clip também.

Lembra vários filmes e livros:
A Casa das Almas Perdidas
O Iluminado
Poltergeist O Fenômeno
Rose Madder

Muito bom, com sustinho no final.

Keane sempre manda bem. Essa é do último trabalho deles.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

95/365 - O "logo ali" dos mineiros

Dias antes de vir para Belo Horizonte, meu namorado avisou:
- Te cuida com os "logo ali" dos mineiros, hein.
- Como assim?
- Eles dizem que tudo é "logo ali", mas não é!

De fato, o último "logo ali" do qual tive conhecimento, mandou duas gurias caminharem uns 5km.

Estavamos descendo o belvedere da Mangabeira, quando vimos duas gurias suadérrimas, botando os bófes pra fora.

Elas pararam e nos perguntaram:
- Gente, falta muito pra chegar no belvedere da Mangabeira?
- Não, não, é logo ali! - apontamos pro morrinho que faltava elas subirem (e era logo ali mesmo).

As duas responderam juntas:
- Nããããão, "logo ali" de novo, nãããããoooo!

domingo, 21 de outubro de 2012

94/365 - Feirinha, ãrrãm.

Eu já tinha incluído na minha programação passar pela tal da feirinha de artesanato / feirinha hippie que acontece aqui em Belo Horizonte, nos domingos de manhã, bem pertinho do hotel em que estou. Achei que fosse uma feira grande, mas não tão grande.

Ontem, era meia noite quando o barulho lá fora começou. Dei uma espiada pela janela e vi algumas barracas sendo montadas na calçada da Av. Afonso Pena.

O barulho continuou madrugada adentro. A visão da janela do quarto, pela manhã, foi a seguinte.


Tinha de tudo: praças de alimentação, decoração para casa, santos, roupas para jovens, idosos, crianças, sapatos, bolsas e acessórios. Tudo baratim, baratim.

E sabem o que mais impressionou? A feira era das 8:00 às 16h. Às 18h, a Avenida estava assim:

 
Passe de mágicas? :o

sábado, 20 de outubro de 2012

93/365 - MMM

No café do Museu das Minas e do Metal.

92/365 - Batendo perna na Bienal do Design

Entre ontem e hoje, consegui visitar 3 mostras da IV Bienal Brasileira do Design. Ao todo, são 8 mostras, incluindo a nossa (somando 4 visitadas).

A mostra que imagino ser a maior, Da Mão À Máquina, esta bem interessante, porém, muitos dos produtos não eram novidade, por já terem sido mostrados na Casa Brasil 2011.

Encontram-se lá, também, alguns itens do designer Sérgio Rodrigues.

Hoje, visitei a mostra 1 Pessoa, 10 Cadeiras. A mostra nos chama a atenção por alegar que todos sentamos, por dia, em aproximadamente 10 cadeiras. Despois de passar por um túnel do tempo, é possível visualizar vários modelos de cadeiras, em um grande salão. Achei bem legal.

 
E visitei a mostra Petraurum, no Museu de Artes e Ofícios... jóias, lindas, maravilhosas, criativas e infotografáveis!

91/365 - Noção de não ter noção.

Eu não sou das pessoas mais perdidas nas direções que existe por aí. Sério, tenho uma noção de localização que, até que funciona bem.

Menos em Belo Horizonte, né!!!!

Por aqui, até agora, não consegui me achar. Olho mapas, estudo locais, presto anteção no caminho do taxi e a única coisa que meu cérebro visualiza é um grande ponto de interrogação.

Pra terem uma ideia, no primeiro dia de colonos na cidade grande, a Andrea e eu recebemos informações de localização de um shopping que ficava bem pertinho do hotel, onde poderíamos ir almoçar. As coordenadas eram: "esquerda, sobe dois quarteirões, esquerda, shopping". Fomos, achamos, tudo bem.

Na noite seguinte, resolvemos voltar lá para jantar. Achamos legal ir pelo outro lado do hotel, que a lógica seria "direita, sobe dois quarteirões, direita, shopping". Mas... conseguimos nos perder.

Aqui, definitivamente, as ruas não são o que parecem ser. As quadras não são quadradas, então, a localização fica bem confusa.

Agora, olhando um mapa, vi que o Mercado Central fica a uma distância de 3 quarteirões do hotel e na minha cabeça, parecia que era do outro lado da cidade.

Por via das dúvidas, resolvi que não vou me aventurar a pé.

Na minha contagem regressiva, 5 dias pra voltar pra casa. Não é que eu não tenha gostado daqui, mas tô sentindo falta das minhas coisas e das minhas pessoas.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

90/365 - 10, 9, 8, 7, 6!!!

Sim, não é que eu não esteja gostando de Belo Horizonte, mas é muito tempo pra ficar longe de casa e, hoje, que todo mundo foi embora, sozinha.

Uma coisa é ficar sozinha em casa. Outra coisa é ficar sozinha uns 3 estados pra cima, onde tu não conheces ninguém. É um pouco deprê.

Ainda bem que existe computador, internet e que, quem diria, a tv parece ser uma companheira, já que ao menos, faz barulhinho.

Mas não dá pra reclamar né, afinal, apesar de longe, está tudo bem, tudo deu certo e... agora é contagem regressiva pra voltar pra casa, quarta-feira.

Saudades da mãe, do pai, dos irmãos, da "sombrinha", do namorido, da Giggia, do Elvis, dos colegas, da minha cama, do meu quarto, do meu carro... só não tenho saudades do chuveiro de casa, que o do hotel é zilhões de vezes melhor.

 
Eu, no B da Bienal Brasileira de Design.

89/365 - Peculiaridades do Mercado Público

O Palácio da Feijoada, que vende todas as partes do porco, e algumas que é capaz dele nem ter...
 
Uma tendinha só de pimenta, porque tem pouca opção, me parece.
 
 
E uma sugestão querida de presentinho.
 
 
Tudo socadim, socadim, nas banquinhas do Mercado Público de Belo Horizonte, uma bela aventura! Quem vier pra cá, tem que visitar!

terça-feira, 16 de outubro de 2012

88/365 - Algo mais light

Fim de tarde, decidindo onde jantar...
- A gente podia ir no shopping Cidade, que tal? - comentei com a Andrea, nossa arquiteta.
- É, aqui pertinho, não precisamos pegar taxi.

E fomos.

Passamos uma vez pelos restaurantes da praça de alimentação.
- Aquele ali tem uma carnes. - Comentei.
- É, eu tenho fome. - Ela falou.

Olhamos umas opções de restaurantes com carne e decidimos jantar no Parrillada.
Estudamos o cardápio.
- Tô afim de algo mais light. - Falei.
- Tudo bem, ela respondeu.

E essa foi nossa janta. Rsrsrsrs.

 
Tá, gente, veio salada junto, ela só não apareceu na foto!!! E era uma das comidas mais light do cardápio, juro!

87/365 - Simples e legal

Comprei um livro e no lugar de uma sacola, ganhei um pacotinho de papel muito legal!
 
Aliás, parece que aqui em Belo Horizonte, a história já é outra. Ontem, no Carrefour, ninguém colocando compras nos pacotes. Pre usar sacola tinha que pagar. Eu sempre levo sacolas reutilizáveis para o supermercado, mas deixei elas em Garibaldi, sabem... tive que comprar uma sacola aqui.
 
Nada como fazer o povo ser ecológico pelo bolso...

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

86/365 - Casa Cor Minas

Não foi meu ambiente preferido, mas a emoção de entrar na sala e ver a imagem nesse tamanho, onde tu não imaginaria encontrar, foi grande!

domingo, 14 de outubro de 2012

85/365 - 7º Encontro de V8 de Garibaldi

Nesse final de semana, aconteceu o 7º Encontro de V8 de Garibaldi. 

Trabalho nos encontros desde sempre e este foi o único até hoje, em que tivemos sol no sábado à tarde. Sempre chovia, tanto que brincávamos que poderíamos exportar o encontro para o nordeste, pois daria chuva por lá, certamente.

E com o sol, veio o maior movimento de visitantes de todos os encontros realizados até hoje.

Além dos carros lindos que vemos todos os anos, a coisa virou meio família. Tem gente que participa expondo ou trabalhando todos os anos, acabamos conhecendo o pessoal e quando o encontro acontece, é hora de reunir a turma e passar um final de semana próximo de pessoas que gostamos e vemos pouco.

A fama foi se alastrando e o pessoal começou a vir de longe. São Paulo foi quem começou, em 2008 - agora, participantes fixos e membros da "família V8". Esse ano tivemos Santa Catarina, Rio de Janeiro e Espírito Santo, além dos importados, do Uruguay! Legal né? Assim, também, não dá pra arranjar desculpa pra não ir, dizendo que "são os mesmos de sempre". Sempre tem novidade e tem cada vez mais carro.

A única falha minha foi perder a festa, que acontece sempre no sábado à noite, no Bar Joe e é muito divertida. Não tive forças para participar, mas para 2014 vou me programar melhor!

O encontro só tem um lado ruim. Acaba muito rápido. Quando tu percebes, já é domingo à tarde e os carros vão indo embora aos pouquinhos... dá uma tristezinha, um aperto no peito de ter que esperar mais dois anos pra que aconteça de novo.



Mas estaremos lá... até 2014!

84/365 - Mudei um dos meus conceitos

Aquele de que televisão no quarto não é uma boa ideia.

Depois de ter que levantar da sala pela enésima vez, morrendo de sono e acabar passando frio pra ir até o quarto, decidi que, sim, quero TV no quarto. 

Com tudo o que tenho direito junto.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

83/365 - Agora sim...

... até me sinto mais mulher do que antes, rsrsrsrs. 


Pra me sentir mais Amélia do que isso, só depois de conseguir as panelas rock n' roll da Tramontina.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

82/365 - Exagerada? Eu?

Por mais que a gente queira ensinar para as crianças o que é bom em questão de música, no momento em que elas começarem a se misturar, a coisa degringola completamente.

Minha sobrinha, antes fã de Elvis, Beatles, Abba... depois de começar a frequentar a escolinha, voltou cantando refrões que variavam do "quero tchu, quero tchá" ao "assim você mata o papai" (e eu querendo matar quem ensinou isso...).

Ela não gosta, mas vai na onda das coleguinhas que gostam. Quando ela pode escolher, ela escolhe bem, mas quando esta acompanhada, já era...

Hoje, pra me matar do coração, ela largou
- Tia Lela, eu quero casar com o Luan Santana.
Eu não podia fazer algo diferente do que fiz.
- Erica, vem aqui, vamos ter uma conversa de meninas.
E aí eu apresentei todos os argumentos impublicáveis que existem, pra convencer ela de que a ideia era péssima.

-... além do mais, Erica, se tu continuar a escutar esse tipo de música, periga derreter teu cérebro...

Aí ela deu as costas e saiu de fininho.

Aí que eu escutei a choradeira. E aí que eu notei que falei algo que poderia ter ultrapassado os limites do "ensinar" para o "assustar". Fui atrás pra conferir.

Eu entrei na cozinha e ela estava sentada no colo da minha irmã, dizendo que não queria que o cérebro dela "quebrasse". Eu não sabia se eu ria ou se me sentia mal. Mas como ela chorava muito, decidi me sentir mal.

- Erica, tá chorando por que?
- Porque eu não quero que o meu cérebro quebre! E... eu tento parar de pensar no tchu, tchá, mas ela não sai da minha cabeça e eu tenho medooooo!
- Erica, calma, não é beeeem assim. Aquilo que eu falei do cérebro derreter é mentira. Eu só queria te dizer que tu não tem que gostar do que as tuas colegas gostam, só pra elas gostarem de ti. Tipo, tu pode ter personalidade, saca?
- Mas tu disse que meu cérebro ia quebrar! - soluçava, tadinha.
- Derreter... mas era invenção minha.
- O meu cérebro não vai derreter?
- Só se tu escutar muuuuita música podre! Um pouquinho ele aguenta...
- LELA!!!! - xingão da minha irmã.
- Não, Erica, nenhum cérebro derrete, mas se tu fizer muito esforço, quem sabe...
- E por que tu fala as coisas pra me assustar?
- Achei que tu não ia te assustar tanto. Era só pra ti não escutar música ruim, mas era tudo mentira.
- Sim, depois a gente ajeita ela. - disse a minha irmã.

E mais tarde, no aniversário da filhinha de amigos meus, meu ex-colega de trabalho aponta pra filhinha dele, dormindo no carrinho e diz, baixinho:
- Botei Kiss pra ela escutar hoje... vou no show!
- Que legal! É isso aí, faz ela escutar música boa desde pequena!
- Essa aqui - ele apontou - vai ter um filtro no ouvido. Só vai escutar música boa!
Eu dei uma risadinha.
- Desculpa eu te iludir, mas quando ela for pra escolinha, a educação musical de casa já era... ela vai voltar cantando o "tchu-tchá" porque as coleguinhas cantam.
Ele fez aquela cara de "cruz-credo, Deus me livre!".
- Mas não te preocupa. Depois tu ajeita ela.

81/365 - Encontro de V8 em Garibaldi

E no sábado de noite tem sempre uma festa muito boa no Bar Joe.
A única parte ruim do Encontro de V8 de Garibaldi é que ele acaba!

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

80/365 - Porque o melhor lugar do mundo...

... pra encontrar pessoas que a gente não vê há milênios, é, sem sombra de dúvidas, o Supermercado!

Hoje, comprando o almoço no Apolo, encontrei uma amiga que, por estar morando em Brasília, fazia um bom tempo que não vai (tempo o bastante pra casar, ter filhos, etc...).

Salve o supermercado e as coincidências da vida!

terça-feira, 2 de outubro de 2012

79/365 - E por falar neles

Postei Walk antes de ler o comunicado do Dave Grohl no Facebook, informando que a banda esta parando. Não terminando, mas dando uma parada. Nem tipo férias, só uma parada. Pelo visto, vai rolar algum projeto paralelo dos integrantes da banda.

Fico triste porque Foo acabou se tornando uma das minhas bandas favoritas e é ótimo ver eles em ação.

Mas fico feliz porque já vai ter muito show e se eles inventassem um aqui por perto, eu entraria em calamidade financeira! Pouco egoísta?

Não, não quis ver eles no LLoollaappaalloozzaa (na dúvida, dupliquei todas as letras, rsrsrs) porque gosto de ver minhas bandas queridas com calma, em shows só delas, pra apreciar melhor.

Vou esperar. Na próxima leva, eu vejo eles.



78/365 - Hoje eu me sinto...

... exatamente como o Dave Grohl nesse clip.
 
 
Mas o bom senso ainda me segura - um pouco, ao menos.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

77/365 - Igreja da Barbie


Brincadeira, a iluminação rosa na Igreja Matriz de Garibaldi é uma homenagem ao mês do combate ao câncer (o que não é brincadeira, nem de longe né!).
Ficou linda!

sábado, 29 de setembro de 2012

76/365 - Cada uma...

Fui buscar a Erica numa festinha e ela mal sentou no carro, já abriu o pacotinho de lembrancinhas, que estava cheio de balas.
Pouco depois, ela fala.
- Essa bala me dá enjoo!
- Então não come né! - disse a minha irmã.
- Mas mãe, eu não comi a bala. - ela começou a se explicar - Acontece que eu preciso respirar e a bala tá dentro do carro! Aí, se ela fica dentro do carro, eu sinto o cheiro e fico com enjoo!

Ok.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

74/365

 
Do lado de dentro da janela não parece tão frio, mas hoje, levei o maior vento frio na cara de toda a minha vida.

73/365 - Vai cair!

Vim ao Uruguay a trabalho.
Peguei voo Poa / Montevideo, no qual, atras de mim, sentaram duas menininhas e sua mãe. No outro lado do corredor, sentou o pai.
Ouvi eles falarem algo sobre ir a Montevideo pegar conexão para Estados Unidos, achei que o cara estava brincando, mas pelo jeito, não.
Então, que as duas tagarelas não fecharam a matraca a viagem toda. Deviam ter entre 4 e 6 anos de idade.
O avião decolou, uma delas já perguntava:
- Mãe, vai cair?
- Não filha, não vai cair.
- Acho que tá caindo.
- Não tá caindo não.
- Tá caindo, tá caindo!
- Não tá caindo.
...
...
- E agora, tá caindo?
- Não filha, o avião não vai cair! Nós vamos até o Uruguay e ele não vai cair.
Convenceu.
- Paaaaai, eu quero um cupcake!
- Eu tambééééémmmm! - a irmã gritou
- Cupcake, cupcake, cupcake! - as duas cantavam (leia-se cãpqueiki). Acho que tem algum cupcake com música, porque elas cantavam uma musiquinha.
Aí, a que estava atras de mim começava a chutar o banco. Acho que ser tia me deu doses extra de paciência com criança - que eu não tinha.
Cantaram.
Falaram.
Gritaram.
Aí o comandante anunciou o pouso.
- Tá caindooooo! - a menininha voltou a gritar.
- Môr, avisa ela que não vai cair, vai aterrisar, acho que ela esta confundindo. - Pai se manifestando.
- Vai cair!
- Não vai cair, querida, vai pousar. Descer até o chão. - A mãe.
- E agora, vai cair?
- Não vai cair, vai pousar.
- Vai pousaaaaar. Iiiiiiiaaaaaaaaaaaaa!!!!! -
Quase morri de rir.
E foi assim até o chão. De cinema.
Aí o pai disse: olha lá gurias, o avião da American Airlines, é o nosso!!!
Sim, eles iam mesmo para os Estados Unidos com as filhas. Creio que para a Disney.

Boa sorte pra eles! Hehehehe!

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

72/365 - Ser tia é...

Saí do banho, vesti meu pijama, enrolei a toalha no cabelo, abri a porta do banheiro e... lá estava ela, a Érica.
- Tia Lela, tu já tomou banho?
- Sim - respondi, percebendo que ela ainda estava com a roupa que tinha voltado da escolinha - e sou sempre eu que dou banho nela, quando tomo meu banho.
- E por que tu não me chamou? - ela perguntou, com aquele olhar de gato de botas e aquela voz de dilacerar o coração.
Falei a verdade.
- Eu achei que a tua mãe tinha te dado banho, não deu?
- Nããããoooo.
...
...
...
...
- Então entra aqui que eu tomo banho de novo!

E foi assim que eu tomei dois banhos em menos de uma hora.


domingo, 23 de setembro de 2012

71/365 - Marcador de livros

Houve um tempo em que eu fazia marcadores de páginas para todo mundo. Inclusive por encomenda.

O tempo livre foi diminuindo e eu nunca mais consegui parar e fazer, nem pra mim mesma - um probleminha, quando se tem um marcador legal e 4 livros no criado-mudo.

Acho uma ofensa marcar página com qualquer coisa. Dobrar a página do livro também.

Estava na fila da mostra do Impressionismo, em SP, quando vi esse marcador pela primeira vez. Achei muito legal mas acabei na preguiça de tentar fazer, até que essa semana, encontrei o tutorial.

Já rolaram 3 e o 4º, fiz para uso próprio.

Segue abaixo meu marcador e, mais abaixo, o tutorial, para quem quiser se aventurar a fazer. Fácil e muito legal!



70/365 - Tempos modernos

Branca de Neve deu uma surra na bruxa e um pé na bunda do príncipe, afinal, pra que ter 01 príncipe, quando se pode ter 07 anões - um anão para cada dia da semana?

Não é delírio, gente.

Foi a essa conclusão que eu cheguei quando, ao entrar no local da festa da minha sobrinha, cujo tema era Branca de Neve e os Sete Anões, não vi nem vestígios da bruxa má ou do príncipe.

Tempos modernos, deve ser isso...

sábado, 22 de setembro de 2012

69/365 - Desse queijo eu não comerei

Taí uma coisa que não se pode dizer!

Porque, pra quem abominava Polenguinho, ter virado uma viciada no queijinho, fica até chato né!

Começou quando provei o Polenguinho Cheddar num voo da TAM. Depois, num supermercado em SP, resolvi comprar o Polenguinho Gorgonzola.

No Carrefour, provei o Polenguinho Provolone.

E na abstinência dos sabores variados, aqui em Garibaldi, me rendi ao tradicional normal e light. E ainda dando graças por ter encontrado um supermercado que tenha começado a vender!

Pelo visto, já era.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

68/365 - Quando defeito virou característica

Já falei que eu me sinto cada vez mais idiota e enganada como cliente né? Se a coisa não esta boa, é como falar com paredes, ninguém dá a mínima!

Venho aqui para reforçar meus argumentos.

Em tempos que se diz que "o cliente sempre tem razão" e que "é importante tratar bem o cliente", na revenda da Ford (a revenda sempre foi exemplar no atendimento, o foda é a Ford mesmo), quando fui deixar meu carro para sua última revisão, questionaram se estava satisfeita com meu Ka, comprado zero no ano passado. Então eu larguei o verbo, em tópicos - provavelmente o cara se arrependeu de perguntar.

- O motor do meu Ka 2001 dava de mil nessa bostinha de 2011.
- A ventilação dele não esquentava - coisa que esse faz.
- Meu outro carro nunca morreu numa arrancada em morro. O versão 2011, se não puxo o freio de mão e fico acelerando, não vou a lugar nenhum.
- O vidro traseiro tem um péssimo design. Qualquer chuvinha na estrada deixa ele todo sujo, não se enxerga nada - o Ka antigo, dificilmente tinha o vidro traseiro sujo.
- O motor é flex mas indicam usar só um tipo de combustível. Eu não entendo isso como flex, será que só eu entendo errado?
- Ok, a estabilidade dele é melhor porque o carro é maior. Ponto. Só isso.
- Ah, e tem outro detalhe: a marcha ré nunca engata na primeira. Tem sempre que engatar, acelerar e reengatar, porque nunca segura. Achei que fosse um defeito do meu carro antigo, mas comprei o novo e veio com o mesmo problema.

Então eu escutei a maior:
- Ah - disse o rapaz - mas isso da marcha é uma característica da Ford.
- C A R A C T E R Í S T I C A ? ? ? - Acho que falei meio alto sabe... - Tu quer tentar me convencer de que um DEFEITO que pode causar um ACIDENTE é chamado de CARACTERÍSTICA???
- É o que a Ford diz. Se tu soubesse quanta gente já reclamou para eles... principalmente do Ka, novo e antigo também.
Só dei uma risada né.

De fato, a característica da ford fez eu raspar a parte de baixo do meu carro, ontem, porque, num morro, a marcha ré não engatou nem na primeira vez, nem na segunda, nem na terceira.

PODEM CRER QUE MEU PRÓXIMO CARRO VAI SER DE UMA MARCA QUE NÃO APRESENTE CARACTERÍSTICAS!

terça-feira, 18 de setembro de 2012

67/365 - 20 anos hoje!

Já devo ter falado nele em algum post antigo, mas hoje, como é aníver de 20 aninhos, vale relembrar.

Ele, o melhor filme de todos os tempos, na minha opinião.

Claro, que outro filme reuniu Matt Dilon, Seattle, Pearl Jam e várias outras bandas grunges? Só o Vida de Solteiro (Singles), mesmo! E como se isso não fosse o suficiente, a história do filme é tudo de bom!

Acho que não preciso falar da trilha sonora né! 

Digamos que seja o meu filme de estimação. 

Longa vida ao Cameron Crowe - que, aliás, dirigiu Rock of Ages também! 

Então, não perde tempo se ainda não viu!!! 

Aqui vai o trailer, pra fazer vontade!



E viva o Grunge e os anos 90!



segunda-feira, 17 de setembro de 2012

66/365 - Sem mais comentários

Porque depois dessa ilustração, não preciso comentar nada mesmo! 

65/365 - Tropicamos aos Céus

Hoje, cantamos feliz aniversário, pelos 5 aninhos da minha sobrinha, Érica.

E depois do tradicional "parabéns pra você", ela emendou um "com imensa alegria, tropicamos aos céus...". Nada como ter uma criança em casa pra dar ótimas risadas.

Depois de rir bastante e repetir várias vezes a canção errada, expliquei para ela a diferença entre suplicar e tropicar (encenando, claro)!

E que eu possa compartilhar da presença desse toquinho por muitos e muitos anos, com muita saúde e alegria!

:D

domingo, 16 de setembro de 2012

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

62/365 - Ter mãe professora de Artes é...

Ao contrário do que todo mundo sempre pensou, ter mãe professora de Artes não te ajuda nada se tu já não souber desenhar, ou se não tiver muita vontade de aprender e praticar para isso. 

No único ano em que fui aluna da minha mãe, tive uma idiota duma colega - ela merece a ofensa - que conseguiu falar que minha mãe só dava atenção pra mim na sala de aula. Não sei em que mundo ela vivia, porque minha mãe sempre deixava pra me ensinar em casa o que era dado em aula, para que os colegas não achassem que era favoritismo. 

Só que em casa, nunca dava tempo. Foi, sem dúvidas, o PIOR ano de Educação Artística de toda a minha vida escolar. Não aprendi nada.

O que sei desenhar - não muito, comparando com muita gente, mas o suficiente - aprendi sozinha, na garra. Aprendi desenhando. Óbvio que o estímulo contou - papel, material de desenho, incentivo verbal e visual.

Essa semana, passei pela sala - minha mãe lendo - e comentei:
- Sabe que eu não sei desenhar em dimensões?
- Como assim? - ela questionou.
- Dimensões... profundidade, sabe...
- Não entendi.
- Tipo, se eu desenhar aquela mesinha, eu tenho noção de ângulo mas não consigo botar no papel.
- Ah, mas isso a gente aprende na faculdade só. - foi a resposta.
Fiquei olhando pra ela.
Ela ficou olhando pra mim.
- Resposta errada! - falei.
Ela começou a rir.
- E qual a resposta certa? - questionou.
- A resposta certa é "ah, mas isso eu te ensino uma noite dessas!"

A velha casa de Ferreiro, espeto de pau! Aposto que acontece em muitos lugares por aí...


61/365 - Não quero culpar ninguém, mas...

... depois da terceira conjuntivite do ano, começo a suspeitar que isso pode estar ligado àquela gata gorda e porquinha que passa o dia dormindo na minha cama, enquanto não estou em casa.

Não estou culpando diretamente, só levantando suspeitas.


quarta-feira, 12 de setembro de 2012

60/365

Diretamente do I Can Read

59/365 - Mündo Cruel

Como se já não bastasse ter show do Slash dia 09/11 e do Slayer dia 18/11, agora, inventaram show do Kiss + Mötley Crue no ida 14/11.

Haja dindim!

E espero que pare por aí hein! Nada de Foo Fighters e David Bowie esse ano!

terça-feira, 11 de setembro de 2012

58/365 - Museu de Minas e do Metal

Uma das janelas da sala onde iremos expor durante a IV Bienal Brasileira do Design, em Belo Horizonte, de 19 a 28/10/12. Bonita né? Imaginem o resto do Museu!

57/365


Só porque eu acho espinafre uma maravilha!
Isso não foi uma ironia.

56/365 - Aquela do show do Scorpions

Ontem tive uma reunião em Belo Horizonte. Foi aquela coisa tri corrida. Voo de manhã, reunião de tarde, retorno de noite.

Hoje, chegando no escritório, meu colega, que também chegava de viagem veio me contar o que tinha acontecido com ele, pois foi inédito!

- Manô, tu nem sabe! Tava no avião, voltando do México, quando entra no avião toda a banda Scorpions.
- Nãããão, não creio! E tu não foi lá tietar os caras? Tu voltou sem autógrafo?
- Nem deu tempo, eles entraram direto, toda banda e os funcionários, foram direto pra primeira classe.
- Ainda bem né... ao menos esses povo do rock ainda se dá o direito de primeira classe como antigamente...
- Sim, eles embarcaram lá e depois desceram em Belo Horizonte, que meu voo fez conexão lá.
- Que? AONDE????
- Em Belo Horizonte, tinha show lá ontem né?
- O QUEEEEE? ONTEM? DIA 10??? SEGUNDA-FEIRA? SHOW EM BELO HORIZONTE?
Coitado do cara, ficou meio preocupado, acho.
- Sim, por que? Por que o pânico?
- Só porque... eu estava em Belo Horizonte ontem e não sabia disso!
- Nãããããããoooooo!
- Siiiiimmmm!Não sabiaaaa!
- Ah para que tu tava lá! Fazendo o que?
- Teve reunião no Museu... Nãããããããoooooo! Eu estava lá e não sabiiiaaaaa!Eu podia ter visto elessss! Deus é cruel!
- Alguém fecha as janelas, acho que ela vai tentar se jogar!

Ainda não me conformei com a minha falta de informação. 

Que puxa! 
:/



 


domingo, 9 de setembro de 2012

sábado, 8 de setembro de 2012

54/365 - Com atraso de 1 dia

Minha sobrinha desfilou pela primeira vez, nesse 7 de Setembro. Eu, que por motivos preguicisticos, já não via o desfile há alguns aninhos, resolvi aproveitar o feriado para o que ele veio e acordei cedinho pra ir conferir tudo de perto e - claro né - abanar pra Érica quando ela passasse por perto.

Na noite anterior, a Érica disse pro meu namorado que nem ia conseguir desfilar direito porque ia ter muita gente dizendo "Oi, Érica! Oi, Érica!"  - não sei em que tipo de desfile ela imaginava ir, mas tudo bem.

Então, fomos lá... chegamos às 9h em ponto e a primeira escola já começava a desfilar. E as ruas ainda estavam vazias, foi ótimo para pegar um bom lugar.

Tirando o fato de que acho uma falta de consideração com os pequenininhos fazer com que eles não desfilem por primeiro, o desfile me agradou - e muito!

Em ordem de acontecimentos, meus favoritos foram:

1 - a Banda Marcial da escola Dante Grossi - mandou ver num ritmo muito rock n' roll - virei fã.

2 - o revival da Banda antiga do Irmã Teofânia, escola onde estudei. Foi o máximo ver a mesma turma - praticamente todos da minha época - arrasando no desfile. 

Aliás, antes de continuar a numeração, queria deixar registrada aqui minha indignação para o fato de que a maioria das entidades, ao invés de marchar, caminhou se arrastando pela Avenida. Ridículo. Custa levantar a perna, minha gente? 

3 - a Érica, passando de mãos dadas com uma Profe e uma coleguinha. Gritos, aplausos! Celebridade!

4 - minha favorita - a Banda do Aeroclube de Garibaldi. Vou explicar. A banda do Aeroclube, normalmente, era composta de pouquíssimos integrantes, que desfilavam a passos largos e sérios, praticamente voando, sempre achei o máximo! Nesse ano, era a banda Oldies do Teofânia, com roupas mais sérias, passadas largas e carão de piloto. Valeu, ficou muito legal também!

5 - pra terminar, o desfile dos cavalos, porque eu sempre adorei cavalos.

Tirando a chatice de políticos te abordando pra pedir votos - o que vale um post à parte - me senti bem feliz de ter ido cumprir com o papel de Brasileiro, do qual, devido ao governo, não tenho sido muito fã.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

53/365 - Quando a esmola é demais, o Santo desconfia. O barato sai caro e similares.

Recebi um e-mail do Peixe Urbano, com promoção de revelação digital. Algo muito barato, tipo 29,90 para 100 fotos, podia escolher fosco e com borda, como sempre revelo. Fazia tempo que eu queria saber se essa coisa de revelação digital funcionava, então comprei.

Depois de demorar 3 horas para baixar no site as fotos em resolução ótima, para que a impressão ficasse boa, enfim, consegui finalizar a operação sem maiores problemas além da demora.

Ao final da operação, a empresa deixava claro que as fotos poderiam demorar até 30 dias para chegar. Isso foi em 17/08. 

As fotos chegaram ontem, 06/09 - dentro do prazo. Então, entendi a demora. Trata-se de uma empresa internacional, pois o envelope veio com remessa do exterior.

Papel Kodak, impressão boa, bordas bonitas, mas... mas... MAAAAASSSSSSSS O ENQUADRAMENTO DAS FOTOS FICOU HORROROSO!

Minha mãe entrou no meu quarto pra saber por que eu estava invocando todos os Pórqui que eu conheço (Porco Cane, Porca Pipa e vai, só descendo o nível).

Um monte de fotos com cortes absurdos! Pessoas pela metade, paisagens com partes faltando.. Uó!

Serviu pra aprender que REALMENTE tudo o que é barato, não presta. 

Tô morrendo de vontade de imprimir todas de novo, Dio Cristo, que raiva!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

52/365 - PJ20

No show do Pearl Jam de 2011 eu soube que eles estavam lançando um filme / documentário dos 20 anos da banda, dirigido pelo Cameron Crowe, que eu admiro.

Faz alguns dias que comprei o DVD e terminei de assistir ontem.

Como Pearl Jam é minha banda de estimação, sou um pouco suspeita para falar, mas achei o documentário perfeito. Um must have para os fãs da banda. É o tipo de filme que vai deixar o cara mais fã do que já é!

Conta tudo, desde o Mother Love Bone, ao perfil dos integrantes, fala sobre as bandas e a cena grunge, sobre o relacionamento entre as bandas e conta fatos dos 20 anos de carreira dessa banda que, ainda bem, não é reconhecida pela massa, mas se mantém firme e, tomara, fique junta por mais muito tempo.

Aqui vai a uma provinha pra quem quer ficar com mais vontade.


Deu uma saudadinha do início dos anos 90...

terça-feira, 4 de setembro de 2012

51/365 - Encargiggia e Furacão

Minha sobrinha começou a falar que queria ter um gatinho.
- Mas Érica, já tem a Giggia!
- Mas eu não queria que o nome dela fosse Giggia. O nome dela devia ser Maria Clara!
- No caso da Giggia, seria Maria Escura né... sempre suja.
- Ou Maria Poeira. - Falou minha irmã.
- Maria Terra. - Adicionei.
- Maria Terra e Elvis Trovão. - Minha irmã completou.
- Não... Maria Terra é com o Capitão Élvis. Ou Giggia Raio e Elvis Trovão. - Corrigi. - A Giggia tá mais pra Encargiggia!
Aí a Erica saiu com a melhor de todas.
- O Elvis é furacão.
- Por que? - Questionamos
- Porque ele é um cão que fura o jardim, ele é um fura-cão!

;D

domingo, 2 de setembro de 2012

50/365 - Monster High

Achei genial a ideia da Mattel de lançar as bonecas Monster High. A primeira vez que vi elas, no ano passado, fiquei mais de meia hora parada na frente das prateleira onde estavam todas elas, analisando uma a uma.

Eu nunca fui muito fã de bonecas, mas sempre fui muito fã de monstros e isso muda tudo! Bonecas inspiradas em monstros, mudam totalmente o enfoque da coisa.

E a minha sobrinha também curtiu elas então, foi uma boa desculpa para nós duas termos uma Monster High (ou Monstro High, como diz ela)cada uma. Ela tem a Laguna, eu tenho a Goulia.

Ontem fui passear no shopping com a minha mãe e encontrei uma camiseta das bonecas, no tamanho perfeito para a Erica. Estava procurando o tamanho certo para ela, quando chegou uma menininha do meu lado.

- Tu gosta delas? - Ela perguntou.
- Adoro! - Respondi.
- Ela é apaixonada por essas bonecas - disse a mãe da minina.
- Qual delas tu tem? - Perguntei.
- Eu tenho a Draculaura.
- Eu acho a Draculaura linda!
- Eu acho a Frankie mais bonita, mas peguei a Draculaura porque meu nome é Laura.
- Claro, faz sentido! - Incentivei.
- E tu, tem qual? - Ela perguntou.
- Eu tenho a Goulia, porque ela usa óculos, como eu. E a minha sobrinha tem a Laguna.
Altos papos sobre Monster High com a minininha.
- Eu queria tanto ter a Frankie!
- Tu viu a Frankie na nova coleção? - Perguntei, tri animada. - Ela esta com cabelo curtinho, chanel, e esta em tons de preto e branco!
Os olhos da menina brilhavam, ela olhou pra mãe dela e a mãe dela olhou pra mim com uma cara de pânico...

- Nãããão, tu não devia ter falado que existe nova coleção!!!!

Peguei a camiseta da Erica e saí de fininho.

Altos papos com criança devem obedecer certos limites, eu já devia ter aprendido isso...

Mas é que elas são tão legaissss!

49/365

Isso explica algumas coisas, hahaha!

Fonte: http://www.umsabadoqualquer.com/ - quem ainda não conhece, favor não perder tempo e correr pra lá, é genial!

sábado, 1 de setembro de 2012

48/365 - Rock of Ages

Após meses de espera, ontem fui assistir Rock of Ages que, com uma semana em cartaz, já esta sendo jogado para escanteio.

A crítica falou mal. Meu namorado não curtiu. Mas eu adorei.

Não sei se quem não gostou não conseguiu captar o espírito do filme, mas para mim, além de engraçado, possui uma trilha sonora cheia de hits legais. 

O filme é muito baseado no rock dos anos 80, com mullets e figurinos produzidos. O Tom Cruise, que eu nem sou muito fã, arrasou no papel do astro de rock Stacee Jaxx, representando um mix de figuras carimbadas do rock. 

A única coisa que eu não curti, foi a voz da atriz principal. Colocaram em um filme de rock um guria que cantava com aquele timbre padrão de adolescente americano, estilo Miley Cyrus e cia.

Tirando isso, prefiro indicar o filme para o pessoal mais ligado no rock farofa e maquiado. As chances de agradar são maiores, bem maiores.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

47/365

 
Porque, mesmo que pareça que tudo só acontece para os outros, a nossa hora também acaba chegando.

46/365 - Black Hole Sun

 
Acordei lembrando dessa música, que é um portal no tempo para eu ir direto para 1994. E viva o grunge!
Dos tempos em que se ligava a Rádio Atlântida no meio do dia e tocava música boa...

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

45/365 - Eu? Exagerada?

Ontem à noite, depois de tomar banho - e antes de secar os cabelos (toalhão na cabeça) - fui dar comida para a minha gata. Essa foi a última coisa que eu lembro de ter feito, antes de sentir uma suave coceira no dedo do meio da mão direita (aquele dos sinais práticos).  

Eu ia coçar o dedo, quando olhei pra ele e me apavorei. Ele estava roxo. Sabe roxo, tipo, ficando preto? Assim! Bem numa das dobras dele.

Fui chamar minha mãe e ela disse que já tinha acontecido com ela também.

E eu, encarando o roxo. Começou a faltar ar. Eu não sentia mais o corpo. Sentei no sofá, porque os pensamentos variavam de "é assim que começa um infarto", "e se eu tiver que ir pro hospital com o cabelo molhado?" e "será que isso é uma gangrena? Trombose?", até "não lembro de ter visto uma aranha, mas pode ser uma picada - o dedo vai ficar roxo, até apodrecer e cair. Depois a mão..."

Aí, a coisa variava para as promessas "se eu sair dessa, prometo que vou cuidar mais da alimentação, fazer exercícios, tomar mais água e chá verde...". 

Acho que eu não estava branca de pavor, já devia estar transparente. Minha irmã olhava e dava risada, porque dizia que o dedo dela, inclusive ficou preto e inchou e não era nada.

- Se não fosse nada, não tava roxo né! - era só o que eu dizia.

Acho que fiquei uns 15 minutos no sofá, até parar de sentir falta de ar e me convencer de que as veias do dedo não estavam entupindo e ele não iria cair. Mas não foi fácil.

Veio gente com tudo: pomada, álcool, gelo... até que pareceu melhorar um pouco.

Hoje de manhã, aproveitei a profe de ginástica que estava no lá no trabalho e mostrei pra ela.

- Qual foi o último esforço que tu fez antes do dedo ficar roxo?
- Que eu lembre, foi abrir o pote de comida da minha gata.
- A tampa era dura?
- Sim, ela é grande, tem que abrir bastante a mão, e é durinha também.
- Ficou inchado?
- Não.
- Dói?
- Não.
- Acho que tu deu um jeito errado no dedo. Isso é típico de rompimento de pequenas veias por causa de esforço. Tu vai ver... agora ele tá roxo, meio preto, depois vai mudar pra verde, amarelado, até sair. Como um hematoma.
- Não vou morrer, então?
- É... não por causa do dedo.
- Não é uma gangrena, nem um sinal de princípio de infarto?
- Não, foi só um vazinho estourado.
- Ai que alívio!

E foi assim que eu fiquei mais tranquila. 

Mas o dedo continua roxo, tá?!