terça-feira, 14 de junho de 2011

O triste momento da separação

Tinha uma propaganda que começava assim:

- Dizem que Brasileiro é apaixonado por carro.

Então eu vou contar uma historinha pra vocês.

Em 2006, quando mudei de emprego, chegou a hora de eu ter um carro todinho meu. Eu adorava dirigir, mas nunca conseguia o carro do meu pai emprestado e isso era um saco! Como eu havia sofrido 3 anos pegando transporte de estudantes aborrescentes, jurei pra mim mesma que essa tortura não se repetiria mais, então, fui em busca do carro.

Meu pai não gostou da ideia. Mas eu dei a real pra ele "pai, queria que tu fosse comigo procurar o carro, se tu não quiser ir, eu vou voltar pra casa, provavelmente, com um carro podre, achando que é bom, mas vou voltar com um carro. Então, ou tu aceita ir comigo procurar um carro bom, ou isso que eu te falei vai acontecer, mas sem carro, eu não vou ficar".

Então fomos. Foi uma semana de procuras, até que no dia 25/10, eu estava em casa, no meu quarto, quando escutei uma voz perguntando por mim, fora da casa. Fui pra janela e meu amigo da revenda estava falando com meu pai. Um Ka prata estacionado no pátio de casa.

Eu havia rodado Bento, Barbosa e Garibaldi procurando um Ka em bom estado.
- Tem esse Corsa.
- Eu quero um Ka.
- Mas esse vectra tá com preço bom.
- Ka.
- Olha aquele Clio...
- Qual é a parte do "eu quero um Ka" que ninguém entendeu direito?

Cheguei do lado dele. Olhei ao redor. Tava um xuxuzinho! Olhei a placa: IKE0326.
- Oi Ike!
(ele sorriu, eu senti!)

Levamos ele para "o mecânico da família" dar uma olhada. Algumas pequenas mudanças, mas estava ok. 2001, com 39.000km rodados. Inteirinho. O dono anterior tinha proteção em tudo - bancos, direção - quando tirei elas, encontrei um carro novo por baixo!

Esse foi o início de quase 5 anos de parceria.

Podem me chamar de abobada o quanto quiserem, mas o Ike nunca foi apenas um carro, ele era "O Ike".
- Sim, eu passo com o Ike pra te buscar.
- Mandei o Ike pro banho.
- Putz, tive que trocar a surdina do Ike, ele tava com complexo de V8.
- Entrou água no Ike, coitado, passei a noite enxugando ele.
- Tem fio pra gato? O Ike tá sem bateria...
- Cadê o cachorro anti-aranhas do Ike???
- Em 5? Não dá, o Ike perde a força...

Fora os grandes momentos como fechar zerinho no cascalho da Fenachamp, no Sábado Bandido (obrigada ao Vagner por me ensinar a fechar zerinho - a loooong time ago); as aventuras em Caxias do Sul, as idas diárias para Bento, faculdade, festas, caronas... sempre juntos, sem nunca ter sido deixada na mão e sempre com o melhor do Rock n' Roll tocando nos cds que levavam o título de "Ike Soundtrack" e que eram distribuídos entre os amigos (Bukiiii) cada vez que eu gravava a nova trilha do meu carrinho.

Enfim, como vocês podem ver, eu tenho um certo apego pelo Ike. Tanto que gostaria de deixar para ele algumas últimas palavras.

Ike, querido, quero te agradecer por toda a parceria nestes quase 5 anos em que convivemos juntos praticamente todos os dias. Desculpa se eu não te mandei pro banho tanto quanto deveria, mas ao menos teus pneus estavam sempre calibradinhos e fome, também nunca te deixei passar. Só tenho histórias legais pra contar - menos aquela do morro em que eu achei que a gente ia morrer, mas tudo bem, tu foi parceiro fiel e forte até naquele momento. Obrigada por ter se mantido na estrada durante todas as chuvas horríveis e serrações que pegamos - tu é o cara! Também quero te agradecer pelos poucos gastos, porque em 4 anos e meio juntos, gastei muito pouco contigo e aproveitei muito. Serei agradecida eternamente por não ter deixado aquela aranha monstruosa entrar em ti - essa foi a tua grande prova de amizade por mim, fiel escudeiro! Vou sentir falta de te encontrar na garagem (reclamando da ferrugem dos vizinhos, hahaha) todas as manhãs, no estacionamento, aos finais de tarde e em qualquer lugar que eu vá, pode ter certeza de que vou lembrar de ti. Esta sendo duro este momento de despedida, mas ambos sabíamos que esta hora iria chegar. Menos mal que eu estou te entregando para pegar outro da mesma raça, não acha? Não sei o nome dele ainda, mas tenho palpite de que é uma garota, rsrrsrs... de qualquer forma, sinto por não poder mais usar o trocadilho "Ka prata, mulher gata". Eu só desejo, do fundo da minha alma, que não te vendam pra um pagodeiro/ funkeiro/ axezeiro/ sertanejeiro, pois seria uma punhalada no meu coração. Se isso acontecer, querido, se joga de um barranco que dói menos, porque eu sei que teus ouvidos são afinados e não vão querer escutar qualquer porcaria. Vou sentir muita saudades de ti. Porque tu é meu faixa. Porque tu é o Ike que todo mundo já conhece. Boa sorte com o futuro dono. Tomara que a gente ainda se encontre "pelos caminhos da vida".

Este é o final de uma grande parceria. Mas a vida segue em frente, as coisas mudam e a gente guarda as boas lembranças.

Como diria a Buki, precisamos praticar o desapego. Mas Ike, de novo, espero que teu próximo dono tenha bom gosto.

Perceberam que essa é a minha grande preocupação né?