segunda-feira, 29 de junho de 2009

Falando com o Ike

- Bom-dia, Ike!
- Oi Manô! Dormiu bem?
- Aham, tranquilo. Pena que não é feriado em Bento também né... - Falei, entrando no carro.
- Melhor, assim eu dou uma voltinha.
- Mas a gente deu uma voltinha ontem! Fomos pro cinema e tudo!
- Eu sei, agradeço! Mas é que ultimamente eu fico demais nessa garagem... esses caras aí do lado... um se acha o máximo porque tem placa preta e o outro... putz, foram colocar um estrangeiro do meu lado! O cara fala inglês e tem alta ferrugem! Ferrugem é contagiosa, sabia? Sem falar que com esse tamanho, mal sobra um buraquinho pra eu entrar e sair da garagem com milímetros contados! Um dia vai dar merda, tô avisando.

Demos ré e pegamos a estrada.
- Mas ontem, foi legal até... tu devia me levar mais vezes pro cinema. Sabe... tu te diverte vendo filmes com as gurias e eu posso conhecer carros novos. Isso abre os horizontes, saca...
- Saco. Vou pensar no teu caso, figurinha.

Garibaldi / Bento:
- Rá, olha ali!
- Que?
- Um Ka modelo novo. - Senti um tom de rancor na voz dele.
- Também ainda não entendo por que eles fizeram um carro tão nada-a-ver com o Ka e colocaram o nome de Ka. Deveriam ter consultado os usuários antes. Quem tinha um Ka, normalmente tinha porque gostava do modelo. Mas nem te estressa, Ike, tu é bem mais foda que essa coisinha... ouvi dizer que eles tem tido vários problemas.
- Preciso passar ele.
- Vai com calma, guri.
- Questão de honra, Manô.
- Ok, não vou discutir com o teu ego.
- Só vou mostrar pra esse fazidinho quem é que manda! - Luz alta nele. - Sai daêêê, mané! Não aprendeu a andar no asfalto, não? - O carro vai para o lado e o Ike ultrapassa, todo metido. - Looooseeeeeerrrrrrrr!!!!!
- Precisa provocar assim?
- Que graça teria "não provocar assim"? Hehehehe!
- Ai Jesus! Eu mereço!
- Ah, vai... tu sabe que eu faço isso pra chamar a tua atenção!
- Mas tu já tem a minha atenção, Ike! Muito mais do que vários carros tem de seus donos, tu deveria ter notado isso, já.
- É que, sabe... outro dia tu falou um lance que me magoou total.
- Não lembro. O que foi?
- Tu comentou com alguém que no próximo ano tu teria que trocar de carro...
- É o que as pessoas normais fazem com os carros normais.
- Mas nós somos uma dupla! Fomos feitos um para o outro! Lembra como tu adora estacionar em locais que só eu entro! Lembra do dia em que o pneu estourou e eu garanti a tua segurança até chegar em casa! Sem estragar a roda e te dar despesas! Eu sou um cara econômico até...
- Eu sei, eu sei. Não pensa que esse assunto não dói em mim! É terrível pensar em te trocar. Tu é mto power!
- Fala mais, fala mais!
- E tu entra em qualquer lugar e é tri bonito! Muito mais bonito que a nova geração!
- Mais, mais!!!!
- Chega, não quero um carro convencido! E aí, Tamandaré ou Curvas da Morte?
- Que pergunta! Curvas da Morte né! É a minha diversão do dia! Tamandaré machuca meus pneus!
- Fresco.
- Isso se chama amor próprio, gata! Mas voltando ao assunto... pensa na cirurgia dos olhos que tu queria fazer. Foco na cirurgia! É bem mais importante do que me trocar por um outro carro que não vai chegar aos meus pés, digo, pneus!
- Vou pensar.
- Com carinho?
- Aham.

- Opa, ainda tem lugar no estacionamento aberto, mas a previsão é de possíveis temporais, quer que eu te coloque no coberto, Ike?
- Não né! Adoro essa emoção de chuvas e temporais. E além disso, com a frequência que eu tenho ido para a lavagem, uma chuvinha até vem bem...
- Sem indiretas, queridão, a grana acabou.
- Brincadeirinha.
- É... te conheço.

- Por que tu me estaciona de ré? Todos os carros estão de frente!
- Pra ti ficar mostrando a bunda pra rua, hahaha!
- Ah, fala sério! É porque o Paulo te disse que é mais fácil fugir no caso de terremotos?
- Na verdade fica mais fácil para sair, no final da tarde. E o vidro da frente não fica com tanta sujeira das árvores.
- Hummm... nunca tinha pensado por esse lado. Achei que fosse a minha bunda mesmo... Uuuuui, adoro quando tu puxa meu feio de mão!
- Aaaaargh! Desde quando eu tenho um carro tarado?
- Hahahaha!
- Tchau, peste, fui!
- Ah, fica mais!
- Não, não adianta colocar Audioslave pra eu ficar. Preciso trabalhar né!
- David Bowie?
- Nem.
- Sniff!
- Alguém tem que pagar a tua gasolina.
- Hehehe.
- E todo aquele óleo que tu bebeu na última abastecida.
- Sorry, babe!
- Te cuida. Talvez eu volte ao meio-dia pra ler um pouco.
- Esperarei ansiosamente. Juro que não vou me transformar!
- Transformar?
- Em barata, joaninha... acha que eu não escutei o teu papo de ontem?
- Hahahaha!
- Tu sabe que eu seria muito melhor que uma barata ou uma joaninha!
- Ah tá!
- É sério!
- Tchau, Ike!
- Tu te surpreenderia comigo, éééééé...

Saí do estacionamento em direção à empresa.

Não tenho certeza de que ter assistido os dois filmes Transformers no mesmo dia tenha sido muito bom para a minha cabeça.

Que o Ike não escute isso!

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Post

Lembro de ter deixado a minha bolsa prateada no balcão da saída do Joe. Paguei minha comanda e pedi para segurarem a minha bolsa porque eu precisava falar com alguém.

Então voltei pro balcão (do bar), falei com a pessoa e isso demorou mais do que eu imaginava. Olhei para o relógio e já eram 2:30. Eu precisava ir para casa dormir, para ter condições de vir trabalhar hoje.

Me despedi do pessoal e fui pegar minha bolsa no balcão.

- Valde, minha bolsa.
- Essa? - ele levanta uma bolsa preta grande.
- Não, ela é prateada.

Ele procura mais um pouco, embaixo do amontoado de casacos e bolsas. Eu, escorada por cima do balcão, tentando ver onde ela estava, para facilitar.

- Não, nem puxa essa. É prata, não chumbo.
- Ah, vá, vá, é tudo igual! Prata, chumbo, vocês, mulheres, são muito confusas nessa coisa de cor!
- Nãnã, nem vem! Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, hahaha. Tá, deixa eu entrar ali e procurar.
- É, facilitaria muito.

Entrei, levantei alguns casacos e encontrei a bolsa. A conta já estava paga, então, saí do bar.

Então eu lembro de estar chegando de carro em casa, com o sol já alto. Minha mãe estava arrumando o jardim. Ela queria tirar o pinheirinho para plantar outra árvore.

Mal estaciono o carro e já escuto:
- Quero ver tu te explicar pro teu pai! Olha a hora guria, tu não vai trabalhar?

Aquela confusão toda me domina. Como assim, o sol já está alto? Eu saí do bar às 2:30 ou logo depois disso! Não podem ser 9:30! Mas eram e quem me dizia isso era o relógio da igreja, que estava bem na minha frente, lá no alto da torre.

Fingi que não escutei a minha mãe. Qualquer argumento seria em vão. Como é que eu ia explicar que saí do bar às 2:30 e estava chegando às 9:30? Nem eu sabia onde estava durante todo esse tempo! Absurdo!

Então eu lembrei... que eu não tinha pedido folga na empresa. Será que a Gi tinha avisado os chefes que eu iria folgar? Que desculpa eu ia dar? Senti aquele nó no estômago.

Liguei o pisca esquerdo, liguei o carro, abri o portão da garagem, soltei o freio de mão, conferi o movimento da rua pelo retrovisor e então, manobrei para entrar no pátio de casa.

Estacionei o carro e lá vinha a minha mãe. Saí do carro, tranquei o carro, liguei o alarme. Eu podia apostar que a minha mãe diria que eu estava bêbada. Mas eu não tinha bebido. E eu abri a boca pra dizer isso em minha defesa, mas senti um odor terrível de álcool que exalava dos meus poros.

Fudeu. - Pensei.

- Mãe, eu sei que a chance de tu acreditar nisso é nula, mas eu não bebi e saí do bar às 2:30, justamente pra poder dormir e ir trabalhar sem sono e sem ressaca. Eu não sei o que aconteceu nesse meio tempo.

- Tu esqueceu de passar pomada na Giggia. - Ela falou isso e passou reto, foi pro jardim dos fundos.

Então eu escutei um miado. Olhei pro lado e ví um gato no muro. Era um daqueles gatos sem pelo nenhum. Passei a mão na cabeça dele e me virei pra entrar em casa.

- Psss. - Alguém me chamou.

Olhei para o lugar onde estava o gato, mas tinha uma menina muito magra, cabelos encaracolados e uma cara que lembrava... um gato!

- Lembra de mim? - Ela perguntou.
- Hummmm... não.
- Eu sou a Mia. - Ela disse, como se fosse um absurdo eu me esquecer disso.

Então eu me virei para chamar a minha mãe e...

Que barulho é esse?

Despertador? Mas aonde? Eu tô sem bolsa!

E então eu acordei.

E eu quero ver alguém dizer que a gente só sonha no fim do sono da gente. Porque eu tinha acordado às 5:12, liguei a luz do quarto e dormi de novo. Em 40min eu sonhei tudo isso!

E sim, acordei para vir trabalhar, sem maiores problemas - e foi um alívio notar tudo aquilo fazia parte do tradicional pesadelo da culpa de ter dormido menos do que deveria e o despertador não tocar.

Eu precisaria me lembrar sempre do quanto o Joe nas quintas me deixa bem nas sextas!

PS: a bola da Giggia foi: ou uma picada de algum bicho, ou uma pancada numa briga. A veterinária abriu a bola, tirou toda a nhaca de dentro e nos deu uma pomada para passar dentro da ferida - blargh, quem vai fazer isso é a Lauren, ainda bem, ela adora - e um remédio para ela tomar. Ufa! Não era nada! Agradeço o apoio de vcs no post em que contei sobre a bola. Eu fiquei arrasada de pensar que pudesse ser algo ruim.

Bom finde gente. Tem o Edward e toda sua turma lá em casa, então, vou desaparecer de novo, hahaha!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Agonia

Eu encontrei uma bola enorme no peito da Giggia.

Amanhã eu vou levar ela no veterinário.

Só que eu tenho medo de levar porque eu não sei se eu quero saber o que é aquela bola terrível!

Não na Giggia, merda!

:´(

sábado, 20 de junho de 2009

Repito, é poderoso!

A Buki já andou falando disso no blog dela, mas ele merece ser mencionado onde for possível!


O último cd do Kings of Leon - Only By The Night - está maravilhoso. Na nossa modesta opinião (minha e da minha prima) este é o cd do ano. Realmente duvido que alguém consiga bater ele. É uma delícia, do início ao fim.


E como uma banda dessas deve ser reconhecida pelo trabalho que fez, além de termos baixado o cd acabamos por conseguir sua versão física também.


Agora estamos de olho nos movimentos da banda, com esperança de um show aqui por perto!


Aquem não gostava do sotacão de gringo dos outros cds, fique relax, eles desistiram disso!!!


Não deixem de escutar Sex on Fire! Colocaria o clip aqui, se fosse permitido, mas não é, então... procurem no youtube!


Bom finde, povo!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

terça-feira, 16 de junho de 2009

O cliente manda?

A coisa funciona assim:


Primeiro Caso:
Tu compra com cheque porque a loja não aceita cartão e jura que não vai passar os cheques para terceiros, mas passa. Aí tu fica esperando e esperando a entrada do cheque na conta, considerando o saldo + aquele valor, para não haver problemas... e o cheque nunca entra.

Tu liga pra loja e a pessoa que te jurou não passar adiante o cheque acaba confessando que passou. Aí tu pede para que ela entre em contato com a pessoa que recebeu o cheque, para que este seja depositado e nada acontece. E no mês seguinte, a mesma ladainha.

Se tu tentar solicitar quebra de contrato e cancelar o cheque - o que seria no mínimo justo, diante da sacanagem feita pela loja - tu pode acabar no SPC.

Resumindo, tu, como cliente, está tentando pagar, mas não consegue, porque a loja foi eticamente podre e não cumpriu com o acordo. E se tu tentar se defender, a loja ainda pode meter no teu.

Segundo Caso:
Aí, tu retira um dvd para assistir com os amigos. Todo mundo reunido, maior climão de filme de terror e... tchãnãnãm! Começam a aparecer aqueles quadradinhos aqui e alí, a voz começa a tremer e o baile segue até que o dvd trave total e não seja possível passar de cena.

Para o filme, começa de novo, seleciona a cena e... tudo de novo! Pra conseguir assistir, tu passa umas duas ou 3 cenas, o suficiente para o dvd voltar ao normal e conseguir assistir o fim. Detalhe: ninguém entende o final. Por que? Porque a bosta do dvd riscado fez perder a parte mais importante do filme.

Então tu lembra de uma cena na locadora: a mocinha colocando o dvd na máquina de limpar, colocando o produto de limpar, polindo o dvd. Ela confere. Coloca o dvd na máquina, blábláblá... tudo se repete umas 3 vezes. E quando tu vai devolver o dvd e conta o que aconteceu, a pessoa que te atende ainda tem peito de te dizer que vai tentar arrumar o dvd pra ti ver de novo!

Olha pra minha cara de quem vai reunir todo mundo de novo pra ver 10min de filme!!! Eu quero que o filme não seja cobrado! Na pior das hipóteses, eu quero o crédito dele pra retirar outro! Mas não! Vou ter que levar a merda do dvd pra casa de novo, pagar por ele e assistir 10min de filme - isso se ele rodar!

E ainda tem gente que tenta insistir na máxima de que o cliente sempre tem razão???

Aonde?



PS: não vou colocar o nome da loja e da locadora aqui no texto, mas se alguém perguntar nos comentários, como vou poder negar a informação??? ;)

Frase da semama

"Photographers are violent people. First they frame you, then they shoot you, then they hang you on the wall. But if you’re real good, they'll scrapbook you."

Unknown

terça-feira, 9 de junho de 2009

Problemas mentais?

Então eu olho para a sala ao lado e... as informações foram processadas de forma mais que rápida.

Meus olhos viram o cara de blaser preto e sem calças (e sem cuecas), na maior das poses "inclinado na mesa como se nada fosse", mas o meu cérebro gritava "impossível, isso deve ter uma explicação!!!".

Sabe quando a pessoa arregala os olhos e faz aquela cara de medo, misturado com "não tô entendendo nada!" - e continua olhando até descobrir o que estava errado?

Então...

Maldita calça bege cor da pele! Deviam proibir roupas de cima com essa cor!