segunda-feira, 28 de abril de 2008

Finca Fogo!

Pessoal, estou divulgando o blog de um amigo e colega meu que tem umas idéias mto boas e escreve muito bem. Inclusive, o primeiro texto dele, se encaixa perfeitamente no que penso sobre o "Caso Isabella".

Segue:
http://fincafogo.blogspot.com/

Fiquem a vontade e aproveitem pra ter este endereço por perto, o cara é dos bons, só estava precisando de umas chantagenzinhas pra ceder e fazer um blog.

Valeu!

bjs

Manô

domingo, 27 de abril de 2008

Coisas de família

Eu, entrando na sala hoje de tarde:

- Olha o que eu ganhei... uma caixinha com a foto do Papa, tem um tercinho dentro, um dos chefes trouxe lá do Vaticano, disse que foi bento e tudo mais. (não que eu seja muito chegada nisso, mas foi um presente, e veio de Roma, então... mal não faz)
- Aaaah, olha que hippie, é um tercinho de missangas! - diz a Uli, toda alegre.
- Lela, deixa eu ver? - pergunta o Deco
- Sim, aqui ó. - e então eu tropeço, a caixinha sai voando, cai no chão e abre, deixando escapar o terço. Normal.
- Pronto, morreu a Nossa Senhora. - diz a Uli.
A Erica bate palmas.
- É Lela, dizem que se o terço cai três vezes, aparece o diabo. - conclui o Deco.
Por alguns minutos, lembrei das histórias de terror que a minha vó contava quando eu era pequena. Todos rimos.

Mas... droga, agora só faltam duas.

sexta-feira, 25 de abril de 2008

terça-feira, 22 de abril de 2008

Antes fosse o bicho-papão, o mosquito da dengue...

Quem foi o infeliz que inventou aquela histórinha infame de que aranhas dão sorte?
Bom, eu não sei qual é a concepção que esse idiota tem de sorte, mas pra mim, a possibilidade de enfartar ao acordar e me deparar com um desses monstros não significa sorte. Pelo contrário.

Aqui em casa, todo mundo tem medo. Analisando mais a fundo, toda a família Pieta tem pânico de aranhas. Toda. De Canela, passando por Porto Alegre, caindo em Caxias e voltando pra Garibaldi, toda família se borra de medo de aranhas.

As formas de prevenção e eliminação dessas coisas peçonhentas varia entre os familiares:

Minha tia de canela, como mora sozinha, já me disse que aprendeu a matar aranhas tirando o óculos. "É que assim, Lela, eu só vejo um borrão e sinto menos medo!"

Meu primo, por sua vez, quando encontra alguma aranha na estrada, desvia o carro. "Vai que ela pula e se gruda embaixo? Eu fora!" Esse mesmo primo, me disse, num inverno destes, no Caracol: "Lela, tu tá me vendo aqui porque é inverno! Eu não venho aqui no verão, não viu as plaquinhas de aranha? Já pensou, eu aqui no belvedere e vem uma aranha? Entre eu ou ela, certo que ela vive, porque eu, me jogo lá pra baixo!"

Outros mais audaciosos usam spray como lança-chamas, quase incendiando o quarto das filhas (era pra não ter que chegar muito perto da aranha!). Tá, não vou revelar o nome desse parente, ele tem uma reputação a zelar.

Eu, particularmente, armei um verdadeiro campo de guerra contra aranhas. Meu quarto tem duas janelas. Uma delas é vedada com espuma. A outra tem uma tela, pra eu poder abrir no verão sem nenhum monstrinho poder entrar - bingo! Além disso, passava Raid Morten conforme dizia a propaganda. E também tenho uma proteção embaixo da porta do quarto. A regra geral é só deixar janelas e portas abertas se alguém estiver no ambiente.

E heis que, mesmo assim, hoje de manhã, quando acordo, vejo uma mancha que se move, metade no teto, metade na parede oposta a minha cama. Penso que são meus olhos, recém abertos. Forço a visão... que coisa, a mancha ainda está lá. Então, penso, cheia de esperança, que poderia ser uma barata-monstro, uma mariposa, um gato... não necessariamente uma aranha né!

Mas quando coloquei meus óculos, me deparei com a maior aranha que tenho visto nos últimos tempos. Vaca! Saí correndo chamar o "paaaaaiiiiiieeeeeeeeeeee!!!!" pra matar a criatura do mal!

Então ele veio. Olhou. Disse: Bãããhn!

Conceito de aranha pro meu pai:
1 - O que? Tu me chamou pra matar isso? = aranha média;
2 - Coitada, aranha dá sorte. = aranha grande;
3 - Bããããhn! - Monstro! Aranha de Itú! Nem ele teve coragem de argumentar!

E ela foi eliminada. Eliminar aranhas, para mim, significa que as patas jazem longe do corpo, sem chances de ressurreição.

Sento na minha cama e fico em choque por 20 minutos, imaginando por onde aquela merdinha teria sapateado durante toda a noite... subiu na cama? Passou por cima de mim? AAAAAAARRRRRGHHHHHHHH!!!!!! Noooooojjjjjjjoooooooo! Pque inventaram aranhas? Lagartixas e sapos desempenham os mesmos papéis de forma mais simpática!

Agora são 23:30. Queria ter postado antes, mas estive ocupada limpando e dedetizando meu quarto, sabem, por precaução...

E fico aqui pensando em como ela teria entrado aqui? Seria a aranha do Macgyver?

domingo, 20 de abril de 2008

Sobre a invisibilidade

Nesta madrugada, logo após me certificar de que o carequinha sexy do Miami Ink se chamava Ami James, postei minhas duas conclusões da noite. Acho que vou me explicar, para ninguém achar que eu sou uma recalcada ou coisa assim.

1 - Mulheres invisíveis de óculos: tenho notado isso há anos. Homens não olham mulheres de óculos! Existe uma barreira visual que faz com que eles nem se dêem o trabalho de ver se a mulher em questão é interessante ou não.

Claro, sempre existem algumas excessões, sendo que parte delas é fã de professorinhas taradas de filmes pornôs e a outra parte, bem pequena, é de homens inteligentes o bastante para perceberem uma mulher interessante atrás de um óculos.

Quero deixar bem claro que não estou procurando ninguém e que não fiquei chateada com a constatação. O caso é que existe um pequeno assédio masculino quando estou de lentes de contato. Este assédio cai para zero quando estou de óculos. Desde sempre. Isso não é coincidência, é fato! E como eu já estou cansada do assédio, aposentei as lentes de contato (tá bom, essa foi de brincadeira, não pude resistir, hehehe).

Na verdade eu percebi que não vale à pena eu passar todo o desconforto que uma lente me causa só para ficar, assim, bonitiiiinha. Uma coisa é usar um sapato desconfortável, outra é ter algo desconfortavel no teu olho. Com olho não se brinca, pé a gente finge que não tem.

Eu realmente não sei como surgiu este paradigma de que mulheres de óculos ou são nerds feias, ou são professorinhas taradas. Acho que é culpa da televisão. Sempre que uma mulher tem que ser feia na tv, lá vai o óculos pra ajudar. E sempre que um homem precisa ser intelectual, charmoso, misterioso, lá vai o mesmo óculos pra ajudar. Acho que isso monta imagens-padrão do aceitável / inaceitável na mente das pessoas... vai saber. Não me aprofundei tanto no assunto.

Ou será que... mulheres de óculos possuem tanto poder que os homens ficam com medo de não conseguirem superar suas expectativas? (que coisa, só pensei nisso agora... gostei!)

O caso é que o ponto 2 de ontem não tem nada a ver com os óculos.

Conclusões

São 03:26. Acabo de chegar em casa.

Hoje cheguei a duas conclusões:

1 - Homens de óculos são um charme. Mulheres de óculos são invisíveis.
2 - Está mesmo chegando a hora de morar sozinha.

terça-feira, 15 de abril de 2008

EU - Giggia, olha a foto!!!
GIGGIA - "Te dou" uma foto daqui a pouco!

Certamente esse teria sido o diálogo. Giggia - vulgo anticristo.

E por hoje é só, pessoal!

Destino X Lei da Atração


Bah, eu ia escrever um post sobre isso, mas comecei a me confundir cada vez mais...

O fato é que Destino já vem pronto e Lei da Atração é a gente quem comanda... ambos nos dão pistas de que existem. Ou nos fazem pensar que existem, safadinhos.

Mas... se a Lei da Atração existe, ela anula o destino, pque destino não é destino se nós pudermos modificá-lo...

E se o destino está escrito, então, pra que lei da atração? As coisas acontecem porque tinham que acontecer e coincidências não existem?

Porcaria, vou ter que amadurecer essas idéias.

Enquanto isso, vamos brincar! Opinem na enquete do blogg! Opinem nos comentários do post, ajudem!!! Tentem me convencer! Hihihi!

Manô (pensando demais, ultimamente...)

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Me poupe do óbvio!


Eu acredito no espiritismo. Sei que não é religião, mas doutrina. O fato é que o espiritismo dá respostas para as dúvidas da vida (e da morte).


Então, para me familiarizar, resolvi ler um livro da Zíbia Gasparetto. Ele estava, apesar dos diálogos construídos e forçadinhos, bem bom. Até passar da metade, onde tudo ficou óbvio demais. Ridiculamente óbvio demais.


Coisas do tipo vários casais se encontrando como se fossem almas gêmeas (assim, ao mesmo tempo). Pessoas que não queriam compromissos sérios aceitando declarações de amor no primeiro encontro e pedidos de casamento uma página depois, no segundo encontro.
Não sei se eu que estou vacinada demais ou se o livro foi muito utópico, mas eu me engasgaria de tanto rir diante de acontecimentos como esses. Acho que também aproveitaria para perguntar "bebeu? usou drogas hoje?".

E não parou por alí não!

Então, lembrando que um personagem ainda estava sozinho, pensei, bem maldosa "no mínimo agora alguém aparece com uma irmã/prima/amiga pra juntar com o cara". Não deu outra! De repente, surge uma irmã de alguém, do interior - daquelas que ninguém fala até ver que falta alguém pra tapar um furo, para se juntar com o cara que tinha sobrado. E todos viveram felizes para sempre! Acaba o livro.

Ah para!!! Isso é piada! E eu perdi uma semana lendo essa balota antes de dormir? Estão duvidando da minha inteligência? Deixei meus quadrinhos do Garfield de lado pra ler... isso?


Então tentaram me dizer que essa é a forma de mostrar que o ciclo daquelas pessoas fechou... pode até ser, mas... nãnãnã, não me convenceram! De novo, não me convenceram!


Podem me xingar, mas Zíbia Gasperetto = novela mexicana espírita.


Deu, acabou o post! Tinha esquecido que os meus dedos ficavam dormentes no frio :/

Ai, tédio!

domingo, 13 de abril de 2008

Riders on The Storm



Esse post é para você, que não foi para o show do The Doors pois achou que, Doors sem Jim Morrison a banda não era Doors. E pior ainda, ousou dizer que não gastaria seu rico dinheirinho vendo show da Doors Cover... blasfêmia!


Pois eu digo: pobre de você, que perdeu o show de ontem por puro preconceito. Escute bem, pois eu estou aqui rindo da sua cara, seu panaca!


Você, que não foi para o show, poderia ter visto o Ray tocando teclados com os pés.


Você, que não foi para o show, poderia ter delirado ao ouvir Riders on The Storm, com direito a efeitos especiais de raios e trovoadas. Poderia ter viajado para bem longe, ao fechar os olhos e escutar a voz suave que cantava "riders on the stooooorm, riders on the stoooorm".


Você, que não foi para o show, poderia ter encontrado muitos amigos, pois lá, estava toda Garibaldi, Bento e Barbosa. Todos juntos, em momento histórico!


Um momento histórico, sim, foi só isso que você, que não foi para o show, perdeu! E como você foi arrogante o bastante para ofender a banda, garanto que nenhum amigo seu ligou para você escutar o show via celular! Hahaha! Bem feito!


Você, que não foi para o show, não se pegou pensando "Pô, esses caras que estão bem ali, são responsáveis pelas músicas que a gente ama! Eles viveram com o Jim! Eles montaram essa banda! Eles são OS CARAS!"


E, claro, você, que não foi para o show, perdeu a chance de invocar o Jim, gritando "Mr. Mojo Risin!" com o Brett Scallions, que se referiu a ele como 'sexy machine' (e digo - tuuuudo de bom parra o vocalista!). E você também perdeu LA Woman, que iniciou, sim, com o ronco do motor!


Eu, particularmente, me realizei ao escutar Blue Sunday e, posso dizer com toda certeza, que este show só teve um defeito: ele terminou.


PS1: Dessa, senti muita falta de ti no show. Na próxima vez, larga tudo e aceita minhas sugestões, tá?! Esse post não pra te xingar, sei que terias ido.


PS2: Micael, valeu pela parceria! Nos divertimos muito contigo e esperamos te encontrar nos próximos shows!


PS3: Pra quem teve a audácia de dizer que o show iria ser Doors Cover: reveja seus conceitos e valorize o que ainda pode ser visto, é melhor e bem mais divertido do que ficar remoendo um passado que nunca mais acontecerá.

quinta-feira, 10 de abril de 2008


"A dog is a dog, but a cat is a purrrrrson."

As coisas que não deveriam ser como são.


Eu sempre penso nisso, sobre vários temas... um mundo baseado nas minhas teorias (que são várias) seria bem mais prático e menos sofrido.

Quem não tem um trauma de relacionamento que não deu certo porque a outra parte precisava aproveitar a vida? Nossa, sei de vários! Hoje de manhã mesmo, soube de outro. Daí, vai cada um para um lado, normalmente, quem deu o fora já sai pipocando e quem o levou, não tem muita opção além de curtir uma fossa.

Então, a minha solução para esse problema é simples!

Criar um programa de aptidão ao namoro (Tabajara!!!)! Isso mesmo, um teste megaelaborado que aprove se o indivíduo já possui condições psicológicas para levar um relacinamento sério adiante.

O que acontece é que tenho visto vários namoros de anos terminarem do nada, por causa dessa simples falta de aproveitamento da juventude (falo dos namoros duradouros, pque namoro de pouco tempo, que termina, foi falha na adaptação de uma, ou ambas as partes. Aqui, me refiro aos relacionamentos na base de 5, 7, 9 anos ou mais).

Claro, 'aproveitar a vida' sempre vem acompanhado do sujeito oculto 'não gosto mais de ti', mas isso ninguém joga na cara do outro né... porém, eu defendo que o 'aproveitar a vida' também tenha seu peso.

Pensem em alguém que começou a namorar tri cedo e não teve seus momentos 'loucuras com a turma'. Tédio! Que vida sem graça! O que eu vou contar pros filhos? E pros netos? Que comecei a namorar com 15 anos, sempre a mesma pessoa? E que não fiz nada de interessante? E por causa de quem? Hã? Culpa do outro que não deixou, óbvio!!! (sabemos que não é verdade, que cada um decide por sí, mas culpar o outro é tão prático...).


Namoro só deveria ser permitido para as pessoas que já aproveitaram demais!!! É triste como só se percebe o tamanho do estrago depois de anos. Assim, um programa de aptidão ao namoro seria uma forma a mais de poupar as pessoas do ruim, velho e inesperado chute na bunda (mas nós estávamos tão bem!!!).


Porque nem todos sabem rir dos próprios tombos, e menos ainda, sabem que o tombo é a melhor forma de aprender a se levantar.


(mas enquanto isso, deixa eu aqui, viajando nas minhas idéias estranhas)

terça-feira, 1 de abril de 2008

Dia dos bobos e a piada de galinhas que nao era piada.

Eu penso e penso sobre o quanto tudo está corrido demais hoje em dia e o quanto as pessoas estão se prejudicando aos poucos com isso.
Penso nisso com muita freqüência e vejo que, se não desacelerarmos, vamos todos surtar, mais cedo ou mais tarde. Temos cada vez menos tempo livre e o tempo que temos, queremos usar para fazer tantas coisas, que não conseguimos fazer nada. Aí dormimos tarde, acordamos cedo e sentimos sono o dia todo.
Mas outra hora falo melhor sobre isso. O fato é que a loucura chegou a tal ponto que até o Dia dos Bobos foi prejudicado!!! Sim, até ele!
Ninguém! Ninguém, exceto a minha colega de setor (mas essa não conta, pque não é mto certa mesmo), ligou para tentar me enganar, ninguém mais me disse Feliz Dia dos Bobos! Nem os mais palhaços dos meus colegas fizeram isso. Culpa da globalização? Culpa do excesso de trabalho? Culpa da crise do país e do sentimento de ser tão idiota que já nem é mais preciso um dia para celebrar isso, quando acontece 365 dias do ano de imbecilidades? Não sei!
E por isso, em nome da sanidade mental e das tradições de infância, quando chegou o meio da tarde, fiz algumas ligações cretinas e anunciei a venda do meu carro no msn, só pra atiçar o povo, que nem desconfiou da piada.
No final do dia, descobri que a notícia que dei, sobre o acidente que vi hoje cedo, envolvendo um carro e um caminhão de galinhas, tinha sido a grande piada do dia. Todo mundo me perguntou como é que estavam as galinhas... "e as galinhas, se machucaram?"
Será que piadas não tem mais graça e desgraças viraram piadas?
Começo a me preocupar - e isso não é mentira.